Conheça as tecnologias utilizadas para acessar sua câmera de segurança

Notícias | CFTV

Conheça as tecnologias utilizadas para acessar sua câmera de segurança

Para facilitar a vigilância das pessoas e dos bens que mais amamos, o acesso remoto é um serviço indispensável para integração junto ao CFTV. Dessa forma, é possível monitorar todo o ambiente de forma otimizada, contando com áudio e detecção de movimento. Neste artigo, vamos conhecer algumas opções para que você possa acessar câmera de segurança com maior praticidade.

Com esses meios de conexão, o usuário acessa o monitoramento por meio de dispositivos móveis como o próprio celular, tornando todo o processo de vigilância bem mais cômodo. Com o smartphone já na mão, fica bem mais fácil contatar a polícia em caso de movimentação estranha em sua residência. Vamos mostrar algumas importantes tecnologias que facilitam esse acesso. Confira!

Acesso via nuvem

O serviço via nuvem é a forma mais simples de conferir acesso às imagens por meio da internet. Com essa opção, o usuário pode economizar tempo e driblar configurações mais rebuscadas que envolvam roteadores e portas, já que o acesso pela nuvem ou pelo sistema P2P são regularmente oferecidos pelos próprios fabricantes dos CFTVs como forma de facilitar a implementação.

É interessante notar que a ascensão do formato em nuvem acompanha as tendências da transformação digital — uma era em que os diversos equipamentos eletrônicos permanecem online 24 horas para otimizar todas as tarefas, sejam profissionais ou pessoais.

Nesse sentido, aparelhos como os nossos notebooks, celulares e tablets, devidamente conectados à nuvem, proporcionam agilidade e praticidade para o seu sistema de vigilância. Ter a opção de comandar o CFTV por um leve navegador de internet é indispensável para incrementar o nível de segurança da propriedade.

O circuito fechado em nuvem, portanto, funciona por meio do armazenamento das imagens geradas pelas câmeras em servidores remotos bem estruturados para lidar com o volume de capturas. Essa tecnologia facilita a gravação proporcionada pelas câmeras IP, integrando duas soluções digitais de alta capacidade.

Acesso via DDNS

O DDNS, como sugere a nomenclatura, é um complemento para o popular sistema DNS. Quando os computadores se comunicam na rede, é utilizado um endereço numérico, o IP. O DNS é o sistema que evita que precisemos digitar complexas sequências numéricas para acessar os nossos sites favoritos, traduzindo esses números para uma combinação mais acessível de letras (ou domínio).

O DDNS tem a função de criar um nome de endereço fixo para representar o IP de determinado usuário. Mesmo que esse endereço mude, o DDNS continua o mesmo. Desse modo, o serviço de acesso direto às imagens por esse modelo possibilita que o usuário do CFTV associe os seus equipamentos, como gravadores de vídeos e câmeras, a um domínio.

A taxa anual pode ser considerada um pouco mais elevada que as outras opções de acesso remoto, mas os benefícios são bastante atrativos. O nível de complexidade da configuração da estrutura é compensado por:

  • maior segurança de acesso e das informações;
  • a velocidade otimizada de transferência de dados;
  • capacidade superior, em comparação à nuvem, de acesso simultâneo às câmeras.

Acesso via aplicativos diversos

Além das conexões via nuvem e DDNS, vários aplicativos podem ser instalados para otimizar o acesso remoto ao seu sistema de segurança. Há uma boa gama de opções gratuitas e de alto nível. Vamos conferir algumas delas.

Você sabe o que são Datacenters?

Notícias | Data center

Furukawa apresenta solução óptica que simplifica e agiliza a instalação em campo

É normal postar fotos nas redes sociais, ouvir músicas na internet e assistir vídeos em serviços de streaming. O que muitos não sabem é onde ficam os todos esses dados. É numa empresa? Em algum navio submarino? Você tem alguma ideia? Vamos descobrir!

As informações que vemos na internet ficam armazenadas em locais chamados “datacenters”, com capacidade de guardar quantidades absurdas de espaço digital. Também chamados de centro de processamento de dados, os datacenters podem se apresentar de formas diversas. Pequenas empresas que contam com o próprio, costumam ter um tamanho reduzido, no entanto as corporações responsáveis por disponibilizar conteúdos para o mundo inteiro, possuem tamanhos gigantescos.

A Microsoft, por exemplo, conta com vários datacenters pelo mundo, sendo o maior com 65 mil metros quadrados. O Google tem concentrações ainda superiores, utilizando locais para guardar cópias de seguranças, evitando risco de perdas.

E quando acaba a energia de um datacenter?

Quando a energia acaba em algum datacenter, os especialistas costumam utilizar o Nobreak. Com o Nobreak, mesmo com a queda de energia, o centro de dados continua operando por 20 minutos, evitando que dados sejam corrompidos e dando espaço para que o sistema de organize. Também há geradores de energia que mantem esses reservatórios de dados, afinal, eles precisam se manter ligados o tempo todo. Quanto mais datacenters uma empresa tiver, mais rápidos as informações podem ser acessadas pelos usuários.

Para resumir, é como se os centros de processamento de dados fossem enormes HDs, que armazenam bilhões de dados e ficam em salas, ligados a geradores de energia, não podendo ser desconectados nunca, caso isso ocorra, dados e arquivos correm o risco de perda total. Segundo informações de Tricurioso

Furukawa apresenta solução óptica que simplifica e agiliza a instalação em campo

Notícias | Furuwaka

Furukawa apresenta solução óptica que simplifica e agiliza a instalação em campo

O investimento sob demanda em redes ópticas FTTH (Fiber-To-The-Home) será o foco da participação da Furukawa no evento ABRINT na Estrada Nordeste, que acontece nos dias 13 e 14 deste mês (quarta e quinta-feira), em Campina Grande, na Paraíba. Promovido pela Associação Brasileira de Provedores de Internet e Telecomunicações (ABRINT), o evento deverá reunir os provedores de serviços de internet (ISPs) da região, que terão a oportunidade de participar da discussão de temas importantes para esse mercado.

A Furukawa apresentará no evento suas soluções EZ! Lux FTTx, que se baseiam em sistemas pré-conectorizados para arquitetura FTTH (Fiber-To-The-Home) – que leva a fibra óptica até o assinante. Esses sistemas permitem que o provedor implante redes ópticas com baixo investimento inicial e, ao mesmo tempo, oferecem flexibilidade para que elas possam crescer rapidamente, acompanhando o aumento da demanda – conceito conhecido como pay as you grow.

Além disso, a pré-conectorização adotada pela Furukawa na linha EZ! Lux FTTH simplifica e agiliza a instalação em campo, diminuindo o tempo de ativação do cliente, e ainda reduz os custos de operação.

Para participar do ABRINT na Estrada, os provedores devem fazer sua inscrição no site da associação (https://credencial.imasters.com.br/abrint-na-estrada-nordeste/) e levar 1Kg de alimento não perecível no dia do encontro. Os alimentos arrecadados serão doados para uma instituição de caridade local.